Roberta Melim/ Janeiro 17, 2018/ comportamento, consultoria de imagem, consumo consciente, estilo, minimalismo

De “Nunca consegui ir em uma loja e levar um único produto…” para “Foi maravilhoso ficar um ano sem fazer compras!

Quantas histórias você já leu de pessoas que têm uma epifania e resolvem que não precisam mais sair comprando loucamente? Eu já perdi as contas. E você já passou por um momento assim?

Quando eu falo de Minimalismo, as pessoas torcem o nariz e logo perguntam se precisa fazer voto de pobreza, ir morar numa casa minúscula no meio do mato e só comer da própria hortinha, desligar a internet e passar o dia meditando. Isso quando não apenas conectam o Minimalismo com a estética, e me perguntam se precisa ter um guarda roupas com apenas peças pretas, brancas e cinza, de corte reto.

Não precisa, se você não quiser. É aí que tá o pulo do gato. O Minimalismo, como estilo de vida, precisa se adaptar ao seu estilo de vida, às suas necessidades e aos seus desejos e prazeres. Ninguém precisa abdicar do que não quiser, só precisa ter a consciência de se isso é necessário, útil, te traz felicidade e/ou te ajuda a ser uma pessoa melhor.

E a melhor maneira de colocar isso em prática é conhecendo melhor seu gosto pessoal, seu estilo de vida, estilo pessoal e – claro – orçamento.

Precisa de força de vontade pra mudar de uma hora pra outra, e resolver passar um ano sem comprar nada, mas quando você percebe que a maioria das suas compras eram por impulso, que a maioria das coisas que você comprava acabavam paradas em casa sem uso, só atulhando ainda mais seu espaço, trazendo stress e irritação, é que você entende o significado que o Minimalismo tem na sua vida.

Tem uma matéria maravilhosa, entrevistando Christian Kelly Ponzo aqui.